Cursos de Fisioterapia
CENTRO
ENM Método SOULIER
MRR
Curso Maitland
Mulligan Concept
 Iso Stretching
Triggers e Terapia Manual
Curso Neurodynamic
Conceitos
Cadastro Jornal Virtual
Fotos DOS CURSOS
Turismo em Bento
Studio Pilates
Atualidades em Fisioterapia
RPG  Postural
Dicas de tratamento
Lesões no Esporte
Lesões no futebol
Lesão de Menisco
Lesão de tornozelo
Tendinite de Aquiles
Lesão no esporte
Lesão de Púbis
Lesão de ligamento
Fisioterapia no esporte
Lesão pós operatório
Atendimento em casa
Bento Vôlei
Cinesioterapia Funcional


Auxiliam na lubrificação articular, ajudam a distribuir as forças de sustentação do peso e ajudam a aumentar a congruência articular. Estas são as funções específicas dos meniscos, importante estrutura responsável pela estabilidade da articulação. Quando lesionados, percebe-se uma maior incidência para o menisco medial, podendo ser atribuído aos ligamentos coronários que se inserem na tíbia e ao ligamento capsular, promovendo uma maior força torsional. Já o menisco lateral, não tem inserção no ligamento capsular e é mais móvel durante o movimento do joelho.

SINTOMAS

Observam-se como sintomas iniciais: dor imediata na linha articular, que, inicialmente, é descrita como uma sensação de falseio, “travando” o joelho próximo da extensão total. Se observarmos que o joelho está travado entre 10 e 30 graus de flexão é indicativo de ruptura do menisco medial. Quando vemos joelho “travado” em 70 graus, podemos estar diante de uma ruptura da porção posterior do menisco lateral. A efusão desenvolve de forma gradativa em 48 a 72 horas. O atleta pode se queixar de incapacidade para o agachamento ou para realizar mudança de direção durante a corrida, pode observar também, “estalidos” no joelho. O diagnóstico deve ser feito imediatamente após a lesão, com testes específicos antes que a ação muscular de proteção e o edema escondam o formato do joelho.

MECANISMO DE LESÃO

O mais comum é a combinação da sustentação do peso com rotação interna ou externa, durante a extensão ou flexão do joelho. Como já foi dito, o mais comumente lesionado é o menisco medial, e isto se dá pela: rotação interna do fêmur, forte e rápida, estando o joelho parcialmente fletido e o pé apoiado no solo. Ocorre principalmente nas manobras de mudança de direção. Há dois tipos de rupturas: vertical-longitudinal ou em “alça de balde”.

CONSIDERAÇÕES PARA REABILITAÇÃO

Inicialmente sempre de forma conservadora. O atleta pode ser capaz de concluir a temporada, tratando os sintomas associados. O procedimento cirúrgico pode ou não ser adotado, dependerá da evolução dos sintomas. Se observarmos fragmentos fixando-se as superfícies articulares da tíbia e do fêmur, pode evoluir para um “pinçamento” crônico ou “falseios” articulares. Esses fragmentos soltos podem levar à degeneração articular, com grau de incapacidade e disfunção. Nestes casos, a opção pelo tratamento cirúrgico é eficaz, e observamos três técnicas, a saber: meniscectomia parcial, reparo do menisco e transplante do menisco. É a localização da lesão que determinará que tipo de técnica será adotada.

PROCESSO DE REABILITAÇÃO

Tratamento não-cirúrgico: Destina-se primariamente, a reduzir a dor e controlar o edema (Crioterapia, TENS, Ultra-som, Laser). Devemos limitar a função inicialmente por 3 a 6 dias, para permitir a redução dos sintomas. O uso de anti-inflamatórios orais são necessários para reduzir a síntese de prostaglandinas (substâncias responsáveis por exacerbar a dor). Após este período, prefira as atividades sem impacto como: bicicleta ergométrica, piscina para condicionamento cardiovascular e gradativamente, ir iniciando a corrida. Cabe observar também, os suportes biomecânicos que devem ser utilizados como: palmilhas de silicones e tênis específico e novo para sua pisada. Exercícios de fortalecimento muscular e alongamentos dos músculos que envolvem o joelho são adequados.

Meniscectomia parcial: No pós-operatório, inicialmente deve ser controlado o edema e a inflamação por meio da crioterapia (gelo), compressão, elevação, Tens, Ultra-som pulsátil. Deambular com muletas por 1 a 3 dias, progredindo para sustentação do peso, assim que tolerado, até recuperar a extensão total, caminhar sem mancar e sem déficit de extensão. Exercícios para reestabelecimento da amplitude articular: deslizamentos na mesa, contra a parede, deslizamento ativo-assistidos e bicicleta ergométrica, podem ser iniciados imediatamente após a cirurgia, associados às séries de exercícios para os quadríceps. Com a melhora da dor e do arco de movimento, devem ser incorporados exercícios em cadeia cinética aberta e fechada. Após este período: treinamento funcional proprioceptivo. Acredita-se que o mais provável para o retorno integral dure em média 2 semanas, dependendo da evolução do quadro.

Reparo do menisco: A reabilitação requer limitação de movimento articular e é, portanto, mais longa. O atleta, recebe uma órtese ou brace , travada em extensão total, por duas semanas, a fim de proteger contraturas em flexão. Usar muletas para descarga parcial de peso. Séries submáximas de contração isométrica (sem movimento) do quadríceps devem ser utilizadas com a órtese. Posteriormente, exercícios de fortalecimento dos adutores(músculos internos da coxa) e abdutores(externos) do quadril. Da 2ª à 4ª semana, o movimento na órtese é limitado entre 0 e 90º de amplitude. Os exercícios para o quadril e isometria de quadríceps devem continuar. Deslizamentos de joelho na mesa e contra a parede e ativos-assistido, devem ser realizados com órteses, dentro dos limites permitidos por ela. A sustentação parcial de peso com muletas evoluindo para sustentação total do peso após 6 semanas. Em 6 semanas, a órtese pode ser removida e, geralmente, o atleta retorna às suas atividades em 3 meses. Em algumas situações, observamos que a lesão do menisco pode vir associada à lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) e o ligamento colateral medial (LCM). Sendo assim , se os protocolos de lesões ligamentares forem mais agressivos ou acelerados, as diretrizes para um plano de tratamento de recuperação do menisco, devem ser incorporados ao processo.

Transplante do menisco: O transplante de menisco é menos comum do que os anteriores, mas quando realizadas dar-se-á preferência ao halo-enxerto em vez do material sintético. Recomenda-se o uso da órtese por 6 semanas, assim como exercícios isométricos para o quadríceps. Apenas a sustentação parcial de peso com muletas é permitida neste período. Após este período, deve ser destravada para realização dos exercícios e sustentação total de peso. A órtese pode ser utilizada por até 8 semanas ou até o atleta conseguir atingir a extensão total e a marcha normal. Deste ponto em diante, técnicas de fortalecimento mais agressivas podem ser utilizadas. O retorno integral ocorre entre 9 e 12 meses.

CONDIÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADAS PARA O RETORNO INTEGRAL AO ESPORTE.

- Não houver aparecimento de edema após a atividade.
- O arco de movimento total recuperado.
- Os níveis de força dos extensores e flexores do lado lesionado, for igual ao lado não lesionado.
- O atleta conseguir realizar com sucesso os testes de desempenho funcional.